sexta-feira, 8 de Fevereiro de 2013

In Memoriam Jürgen Untermann

Acaba de dar-se a conhecer a morte no dia de ontem, à idade de 84 anos, do professor Jürgen Untermann (24/10/1928 - 2013/02/07) um dos principais espertos na paleo-linguística europeia e especialmente da Península Ibérica.

Discípulo de insignes linguistas como Hans Krahe e Ulrich Schmoll, estudou nas universidades de Frankfurt e de Tübingen, sendo catedrático de Linguística Comparada na Universidade de Colónia. Membro de várias instituições internacionais , era desde  o ano 1994 membro da Real Academia de História da Espanha. A sua pesquisa se concentrou no estudo das línguas itálicas e paleo-hispânicas, sendo considerado a maior autoridade a nível mundial no estudo da línguas paleo-hispânicas.



Foi o editor do corpus destinado a recolher todas as inscrições nas línguas antigas da Península Ibérica, os celebres Monumenta Linguarum Hispanicarum, cujos volumes foram publicados entre os anos 1975 e 1997. Realizou assim mesmo um intenso trabalho de sistematização da onomástica peninsular que o levou a publicar sua monografia clássica sobre o tema. Elementos de un Atlas Antroponímico de la Hispania Antigua (Madrid, 1965) . Untermann foi igualmente um dos principais valedores da interpretação da língua lusitana como uma forma de céltico arcaico, em contra de boa parte dos seus colegas profissionais, no que ele definiu como a sua "herética convicção"

nomeamento de honoris causa de Untermann pela USC, 2003

O professor Untermann foi assim mesmo desde o seu início um dos principais promotores dos Colóquios de Línguas e Culturas Paleo-hispânicas, cuja organização presidiria por vários anos. Com a morte do Prof Untermann o estudo das línguas pré-romanas da península ibérica fica órfo de um dos autores de referência nas últimas décadas.  Sit tibi terra levis


2 comentários:

  1. Un dos mais grandes. Inda, nos,coido, sen perspectiva dabondo que contextualice a súa desmesurada magnitude como investigador.

    Sexa lembrado

    ResponderEliminar
  2. Um mais que se nos vai, há um ano Moralejo, agora Untermann, ainda por sorte quedam Adrados e Monteagudo, com o seu eterno e monumental dicionário da toponímia galega (ainda inconcluso)

    ResponderEliminar