sexta-feira, 16 de fevereiro de 2024

LUCENTUM Nº 43 - 2024

LUCENTUM Nº 43 - 2024
    

INDEX

Estudio de las huellas de uso y aplicación de análisis químicos no destructivos sobre un macroútil procedente del yacimiento de Hort 
de Cortés-Volcán del Faro (Cullera, València) pp. 9-27
Margarita Vadillo Conesa, Mirco Ramacciotti, Gianni Gallello, Paula Jardón Giner, Begoña Soler Mayor, Agustín Pastor, J. Emili Aura Tortosa

Las pesas de balanza de la Edad del Hierro conservadas en el Museo Arqueológico Nacional (Madrid, España) en el contexto metrológico 
de la Europa occidental  pp. 29-52
Susana de Luis Mariño, Thibaud Poigt

El tablero cerámico de Castro Curbín (Arzúa, A Coruña). Reflexiones sobre religiosidad y ¿juegos de mesa? en la Edad del Hierro del 
noroeste peninsular pp. 53-71
Samuel Nión-Álvarez

Un thymiaterion cerámico de la necrópolis ibérica de Alarcos III (Poblete, Ciudad Real): el perfume y su uso ritual en el 
ámbito oretano pp. 73-88
Miguel Ángel Rodríguez-Rabadán Díaz-Cano, 
Pedro Miguel-Naranjo

Paisaje ibérico en un área de transición: el valle de Caudete 
(Albacete) pp. 89-105
Jesús Moratalla Jávega, Pedro Ramón Baraza, 
Gabriel Segura Herrero

Ocupaciones efímeras en cueva desde la protohistoria hasta la actualidad: cova del Gegant (Sitges, Barcelona) pp. 107-133
Joan Daura Luján, Eduard Ble Gimeno, Víctor Revilla Calvo, 
Judith Peix Visiedo, María Clua Mercadal, Marta Blasco Martín, Ignasi Queralt Mitjans, Silvia Valenzuela Lamas, Magi Miret Mestre, Ramon Coll Monteagudo, Ethel Allué Martí, Montserrat Sanz Borràs

Molde para la elaboración de mangos decorados de cazos de sigillata hispánica procedente del alfar romano de La Cereceda (Arenzana de Arriba, La Rioja) pp. 135-150
Jesús Carlos Sáenz Preciado, María Pilar Sáenz Preciado, 
María Asunción Antoñanzas Subero

Marmora de la Casa de la Cañada Honda de Itálica 
(Santiponce, Sevilla) pp. 151-168
María Luisa Loza Azuaga, Daniel Becerra Fernández, 
Esther Ontiveros Ortega, José Beltrán Fortes, 
Maite Velázquez Guerrero, Rafael Hidalgo Prieto

Escena de thíasos marino en el Prepirineo aragonés: el hallazgo del 
opus tessellatum blanquinegro del Forau de la Tuta (Artieda, Zaragoza) 
pp. 169-191
Lara María Íñiguez Berrozpe, Paula Uribe Agudo, José Ángel Asensio Esteban, Irene Mañas Romero, Jorge Angás Pajas, Enrique Ariño Gil, Milagros Navarro Caballero, María Ángeles Magallón Botaya

Los ‘telares de rejilla o lizo de marco’ en época romana. A propósito 
de un hallazgo en contexto en Augusta Emerita (Mérida, España) 
pp. 193-214
Macarena Bustamante Álvarez, Leyre Morgado-Roncal, José María Murciano Calles, Rafael Sabio González, Carlos D. García-Moreno

Un asa romana de bronce y plata procedente de la villa de Huerta 
del Río (Tarancueña, Soria): contexto arqueológico e interpretación 
pp. 215-227
Emilio Gamo Pazos, Víctor Manuel Fernández Martínez

La llamada Terra Sigillata Hispánica Tardía Meridional (TSHTM) en 
Santa María de Abajo (Carranque, Toledo)  pp. 229-256
Raúl Aranda González, Virginia García-Entero, María Rosa Pina Burón

Legibus suis et suo iure utentes: las magistraturas epicóricas de los municipia antiquissima del Lacio pp. 257-274
Víctor Andrés Torres-González

Estela de Alionus. Una inscripción inédita de Rabanales de 
Aliste (Zamora) pp. 275-281
Santiago Sánchez de la Parra-Pérez, Xabier Eguilleor-Carmona, 
Óscar Rodríguez-Monterrubio, Francisco Javier González de la Fuente

Nuevos datos y reflexiones sobre CILC IV 1159 (Grimaldo, Cáceres): 
¿un miliario palimpsesto? pp. 283-295
Enrique Paredes Martín

Sobre algunas inscripciones halladas por Juan de Flores en la 
Alcazaba de Granada a la luz de los manuscritos de la Biblioteca Nacional 
de España pp. 297-313
María del Rosario Hernando Sobrino
  

Ir ao número da revista: Lucentum Nº 43 - 2024

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2024

Arqueologia Cognitiva

Handbook of Cognitive Archaeology

Henley, T.B, Rossano, M.J., & Kardas, E.P. (2020): Handbook of Cognitive Archaeology. Psychology in Prehistory. Routledge. Londres.  ISBN: 9781138594517  DOI: 10.4324/9780429488818
  
   
Sinopse  
Os restos que os arqueólogos descobrem revelam mentes antigas em ação tanto quanto mãos antigas, e durante décadas muitos procuraram uma maneira melhor de compreender essas mentes. Esta compreensão está na vanguarda da arqueologia cognitiva, uma disciplina que acredita que uma maior aplicação da teoria psicológica à arqueologia promoverá a nossa compreensão da evolução da mente humana.

ferramenta de sílex, Griquatown , Província do Cabo Setentrional, Sudáfrica

Reunindo uma ampla gama de especialistas, incluindo arqueólogos, psicólogos, antropólogos, biólogos, psiquiatras, neurocientistas, historiadores e filósofos, num volume abrangente, este livro acessível e esclarecedor é um recurso importante para estudantes e investigadores que exploram como a aplicação da arqueologia cognitiva pode aprofundar significativamente seu conhecimento sobre os humanos primitivos e antigos. 


Este volume seminal abre o campo da arqueologia cognitiva para estudiosos das ciências comportamentais. 
     

INDEX


+INFO sobre o livro em: Hanbook of Cognitive Archaeology

As Fortificações Ibéricas - Livro

Les fortifications ibériques 

Moret, P. (1996): Les fortifications ibériques, de la fin de l’âge du bronze à la conquête romaine. Collection de la Casa de Velázquez Vol. 56. Casa de Velázquez. Madrid  ISBN: 9788486839727

Sinopse 
As paisagens do leste e do sul da Península Ibérica ainda conservam centenas de vestígios das muralhas e torres que protegiam as aldeias indígenas da Idade do Ferro. Estas fortificações são os únicos monumentos dos ibéricos que foram preservados em condições suficientes para permitir uma análise aprofundada. 


Herdeiras de uma longa tradição de construção em pedra, marcada pela influência dos modelos gregos e fenícios, permaneceram, até à conquista romana, fiéis ao princípio da união íntima entre o recinto e o habitat: daí a riqueza de ensinamentos que podem proporcionar sobre a organização das comunidades indígenas.



Descarregar o livro em: Fortifications Iberiques

GLADIUS Nº 43 - 2023

GLADIUS Nº 43 - 2023
   

INDEX

Una espada de periodo La Tène medio del museo de Durrës, 
Albania
pp. 7-17
Ols Lafe, Errikos Maniotis
Miguel Esteban Payno

El fuerte romano republicano de Ses Salines (Mallorca): 
aportaciones a sus características y cronología pp. 33-52
Bartomeu Vallori Márquez, Silvia Alcaide, Jaume Servera, 
Alejandro Valenzuela

Regalando in between. Códigos mixtos e instrumentalización de 
las armas como dones diplomáticos durante la expansión romana 
en Hispania pp. 19-32
Miguel Esteban Payno

¿Un Contingente de la Legio IIII Macedonica en Varea 
(Logroño, La Rioja)? pp. 53-67
Adrián Calonge Miranda

Una carta del emperador Honorio al ejército de Hispania: 
apuntes histórico-filológicos sobre la Epistula Honorii 
pp. 69-84
Carla Setién

Catálogo de documentos relativos al armiger del rey 
Fernando I de León (1038-1065) pp. 85-96
Manuel Carriedo Tejedo

El desarrollo de cascos en los reinos cristianos de la península ibérica entre 1150 y 1230 d.C.: evidencias de un único estilo regional 
pp. 97-123
Pavel Konstantinovich Alekseychik, Robbie Louis Frederick
 McSweeney, Darío Español-Solana

La armería de don Antonio Alonso Pimentel, VI conde de Benavente, 
en el Hospital de Nuestra Señora de la Piedad pp. 125-138
Juan Francisco Torres Cubero

Notas sobre el uso y construcción de armas de asedio en el reino de Valencia durante la Guerra de los Dos Pedros (1356-1366) pp. 139-151
Pablo Sanahuja Ferrer

Equipamiento militar hispano-indígena durante las campañas 
en la conquista de México Tenochtitlan pp. 153-163
Marco Antonio Cervera Obregón


Reseñas

Fernando Echeverría, Adolfo J. Domínguez Monedero, César Fornis, José Pascual, Laura Sancho Rocher (eds.): Jerjes contra Grecia. La Segunda Guerra Médica, 2500 años después. Universitat de Barcelona, Barcelona, 2022. pp. 165-167
Guiomar Pulido-González

Scarci, Azzurra, Graells i Fabregat, Raimon, Lanteri, Rosa y Longo, Fausto (eds.): Armi a Kasmenai. Offerte votive dall´area sacra urbana. Catálogo de la exposición (Palazzolo Acreide, dal 13 novembre 2021 
al 28 febbraio 2022). Paestum. 2021. pp. 169-170
María del Mar Gabaldón Martínez

 Aitor Díaz Paredes: Almansa, 1707 y el triunfo borbónico en 
España. Madrid, Desperta Ferro Eds., 2022. pp. 171-172
José Luis Moralejo Álvarez

Janca Istenič, Anja Ragolič: Roman military decoration torques: 
literary, epigraphic, representational and archaeological evidence/ Rimsko vojaško odlikovanje torkves: literarni, epigrafski in archeloški viri ter upodobitve. Catalogi et monographiae... pp. 173-176
Javier Moralejo Ordax


Ir ao número da revista:  Gladius Nº 43 - 2023

O Asedio de La Loma - Livro

Asedio de La Loma

Peralta Labrador, E.J., Torres Martinéz, J.F, & Domíngue-Solera, S.D. (2021): Asedio de La Loma (Santibañez de La Peña) Historia de las Campañas de 2003 a 2018. Clan Editorial. Madrid. ISBN: 78-84-125369-0-4  
   
Sinopse  
Recentemente Eduardo Peralta Labrador tem disponibilizado no seu academia.edu para a sua descarrega o livro Asedio de La Loma (Santibañez de La Peña) Historia de las Campañas de 2003 a 2018. 


A Zona Arqueológica de La Loma está composta por um conjunto de depósitos que formam um espetacular e muito bem preservado dispositivo de cerco romano  em torno de um assentamento fortificado (Castro). 


Este castro estava dentro do território dos cântabros, que na segunda metade da Idade do Ferro (século V-I) A.C. aprox.) estendido por uma ampla área que incluía o norte da atual Província de Palência. No final do século I A.C, e dentro das Guerras Cântabras e Astures, o castro foi cercado e atacado pelas legiões romanas. 



Os trabalhos arqueológico desenvolvido pela equipe do Dr. Eduardo Peralta entre 2003 e 2007 serviu para exumar ambas as partes das estruturas defensivas do forte, como também um acampamento principal e dois campos secundários das legiões romanas. 



Nessas campanhas recuperou-se uma quantidade significativa de material, tanto dos habitantes do castro como militar romano. As descobertas geraram uma coleção de peças de guerra deste momento histórico do mais importante de toda a Europa.
   

INDEX

1. Presentación p. 5

2. El Contexto  p. 7

- 2.1. Los cántabros p.9

- 2.2. Las Guerras Cántabras p. 37

3. El Complejo Arqueológico p. 51

- 3.1. Historia de las intervenciones p. 53

- 3.2. La “Arqueología de la Guerra” en La Loma p. 79

- 3.3. Áreas estudiadas p. 87

4. Los materiales p. 107

- Material militar romano p. 107

- Material militar indígena p. 124

- Numismática p. 131

- La cerámica p. 134

- La fauna p. 136

- Restos humanos p. 140

6. Conclusiones  p. 165

Bibliografia  p. 169


Disponível em: Academia.edu

terça-feira, 13 de fevereiro de 2024

Hierarquia na Floresta - Livro


Hierarchy in the Forest

Boehm, C. (2001): Hierarchy in the Forest: The Evolution of Egalitarian Behavior. Harvard University Press. Cambridge, Massachusetts  ISBN: 0-674-39031-8
   
Sinopse 
Os humanos são por natureza hierárquicos ou igualitários? Em Hierarquia na Floresta aborda-se esta questão examinando as origens evolutivas do comportamento social e político humano. 


Christopher Boehm, antropólogo cujo trabalho de campo se concentrou nos arranjos políticos de grupos de primatas humanos e não humanos, postula que o igualitarismo é, na verdade, uma hierarquia em que os febles combinam forças para dominar os fortes.


A flexibilidade política da nossa espécie é formidável: podemos ser bastante igualitários, podemos ser bastante despóticos. O livro traça as raízes dessas características contraditórias nos chimpanzés, bonobos, gorilas e nas primeiras sociedades humanas. Boehm analisa as estruturas de grupo dos caçadores-coletores, depois a segmentação tribal e, finalmente, os governos atuais para ver como essas tendências conflituantes se refletem.


A Hierarquia na Floresta reivindica um novo território para a antropologia biológica e a biologia evolutiva, estendendo o domínio destas ciências a um aspeto crucial do comportamento político e social humano. Este livro é um aparte importante no estudo da base evolutiva do altruísmo.

INDEX

1. The Question of Egalitarian Society p. 14

2. Hierarchy and Equality p. 29

3. Putting Down Aggressors. p. 56

4. Equality and Its Causes p. 77

5. A Wider View of Egalitarianism. p. 103

6. The Hominoid Political Spectrum p.138

7. Ancestral Politics  p.162

8. The Evolution of Egalitarian Society p. 184

9. Paleolithic Politics and Natural Selection 
p. 210

10. Ambivalence and Compromise in Human Nature 
p. 238

References p. 272


Disponivel em: Hierarchy in the Forest

Relações de Genero entre os Bayaka

Women’s Biggest husband is 
the Moon

Deixamos aqui o video da palestra que dentro do ciclo de primaveira do Radical Anthropology Group proferiu o antropologo Jerome Lewis (University College London) sob o título de "O maior marido das mulheres é a Lua: relações de gênero entre caçadores-coletores BaYaka".

Nela o palestrante explora as relações de género, ritual e economia dos BaYaka Mbendjele através do conceito de 'ekila', uma potência que pertence a mulheres, homens e animais


sábado, 10 de fevereiro de 2024

Estudos de HIstoriografia Cognitiva

PAST MINDS

Martin, L.H & Sørensen, J. (eds.) (2011): Past Minds. Studies in Cognitive Historiography. Religion, Cognition and Culture. Routledge  ISBN: 978 1 84553 740  DOI: 10.4324/9781315478371

Sinopse  
Como os historiadores entendem as mentes, motivações e intenções dos agentes históricos? O que a teorização evolucionista e cognitiva pode contribuir para este trabalho? Qual é a relação entre história natural e cultural? 



Os historiadores têm ficado intrigados com essas questões desde a publicação, em 1859, de A Origem das Espécies, de Darwin, que constitui em si a historicização da biologia. Este interesse ressurgiu na última parte do século XX entre vários biólogos, filósofos e historiadores, reforçado pela nova descoberta interdisciplinar dos cientistas cognitivos sobre as capacidades universais e as restrições impostas às mentes humanas. 



Os estudos deste volume, principalmente realizados por historiadores da religião, continuam esta discussão concentrando-se em exemplos históricos de religiões antigas, bem como nas promessas teóricas e nos problemas relevantes para esse estudo.
  

INDEX


+INFO sobre o livro em: Past Minds

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2024

Folklore Islandês e Memoria Cultural - Livro

Icelandic Folklore and the Cultural Memory of Religious Change

Bryan, E.S. (2021): Icelandic Folklore and the Cultural Memory of Religious Change. Arc Humanities Press. Leeds. ISBN: 9781641893756  DOI: 10.17302/BL-9781641893763

    
Sinopse  
Este livro tenta compreender as origens e o desenvolvimento da crença religiosa na Islândia e na grande Escandinávia através das lentes de cinco contos populares islandeses cuidadosamente selecionados, coletados na Islândia durante o século XIX. 




Cada uma dessas cinco histórias tem uma história própria: um contexto histórico e cultural, um legado literário, influências de crenças de todos os tipos (ortodoxas e heterodoxas, de elite ou leigas) e modalidades (orais ou escritas) pelas quais a história foi escrita e contada. 




Estes fatores deixam uma marca –por vezes discernível, por vezes não– na história, e quando essa marca é legível, os legados e influências sobre estas histórias ganham vida para iluminar uma tapeçaria de memória cultural (isto é, a perceção que uma sociedade tem de si mesma, da sua perceção) do passado e as suas perspetivas para o futuro) e desenvolvimento cultural que de outra forma poderia ficar oculto aos olhos do leitor. Esse é o objetivo deste livro: contar a história de cinco grandes histórias.
   

INDEX

Preface. p. VI

Introduction: Stories, Memories, and Mechanisms of Belief  
p. 1

Chapter 1. The Dead Bridegroom Carries Off His Bride: 
Pejoration and Adjacency Pairs in ATU 365  p.  23

Chapter 2. The Elf Woman’s Conversion: Memories of Gender
 and Gender Spheres  p. 45

Chapter 3. The Fylgjur of Iceland: Attendant Spirits and 
a Distorted Sense of Guardianship  p. 67

Chapter 4. The Elf Church: Memories of Contested 
Sacred Spaces p. 89

Chapter 5. The Stupid Boy and the Devil: 
Sæmundur fróði Sigfússon, Magic, and Redemption 
p. 117

Conclusion p. 141

Select Bibliography p.149



Descarregar o livro em: Icelandic Folklore

Oral Tradition Nº 35/2 - 2022

Oral Tradition among Religious Communities in the 
Iranian-Speaking World
  

Oral Tradition Nº 35/2 - 2022

   

INDEX


Descarregar a revista em: Oral Tradition Nº 35/2

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2024

Da Ortodoxia que nunca foi


A ortodoxia nunca existiu na vida religiosa real do povo, era apenas uma coisa escrita nos livros mas nunca praticada que de vez em quando algum eclesiástico iluminado, como há uns meses o pároco Anti-Mortalhas de Santa Marta de Ribarteme, lhe dava por exumar dos manuscritos, se lhe cruzava-se o cableado e principiava a ver "paganismo" "heresia" ou mais tardiamente "judaísmos" por todo-los lados. até em coisas que quando nasceram seriam mais ortodoxas que a ortodoxia própria, se esta tivera alguma vez existido além do registo livresco. 



E tentava assim impor a macheta essa religião dos livros que ele pensava era a "verdadeira" ainda que de facto para o conjunto dos crentes em verdade nunca existiu.

Já se vê com quanto sucesso, e logo de isso se volvia a guardar na estanteria o manual de ortodoxia e morra o conto até que ao cabo dum tempo outro crego lhe dava por ler o manual se nos iluminava lhe dava de novo por intentar outra vez alindar a seu rebanho "pelo livro". 

São esses casos isolados, episódicos, esporádicos que apareciam e desapareciam como o Guadiana pelos seus olhos, e se esqueciam tão rápido como aconteceram, o que cria a ilusão retrospetiva de que existia algo que se manteve ao longo do tempo, continuamente e de geração trás geração de eclesiásticos teimosos turrando e anatematizando, dia sim dia também, as tradições supersticiosas do povo. 

Pena da Água, Esquadro, Silheda (Ponte-vedra)

Mas sejamos realistas não há mais que ver os ritos e lendas de tantos santuários cristãos para ver isso "nunca foi assim" e que essa religiosidade corrente e quotidiana que por vezes se volvia ao olhos de alguém uma heterodoxa anomalia de fé era a religião "normal" e de toda a vida tanto para o paisano como para o próprio cura que lhe-la oficiava religiosamente e sem conflito nenhum. 

Em esse sentido essa perceção retrospetiva não é apenas mais que um espelhismo criado artificialmente e que nos opaca muito da correta interpretação do Imaginário e a cosmovisão religiosa do povo. Essa entidade fantasmal criada como essência imutável a que se supõe em conflito quase eterno contra uma suposta "heterodoxia popular" nunca foi assim, nem nunca teve quase mais que um efeito mais bem limitado na religiosidade real e nas crenças do povo. 

Eu gosto de dizer que a "Ortodoxia" nunca existiu o único que existiram foram de facto apenas, e por vezes, "momentos ortodoxos", que vinham e iam, nesses momentos se tentava "ativar" uma forma de ver a religião que apenas existia nos livros, livros que lia ou ao menos podia ler (poder ler algo não sempre implica que se vaia ler ou que se vaia fazer caso ou porem prática o que se lê, máximo quando por regula geral está muito alongado da prática) um grupo muito limitado dentro do conjunto dos crentes, uma elite intelectual muito restrita dentro dum grupo já restrito como era o dos eclesiásticos profissionais.

Muitos tomam a pé da letra a exortação do Martinho de Braga no seu De Correctione contra os ritos pagãos dos camponeses supondo-a uma proba da existência em paralelo de um paganismo vivo em paralelo ao cristianismo (algo que aceita acriticamente a visão bastante maniqueia que tinha o próprio Martinho sobre a religião do povo); sem reparar em que ao final do texto o próprio Martinho não exorta precisamente a pagãos senão "a vós que aceitas-te o Signo (da Cruz)" isto é ao os cristãos que segundo ele fazem coisas que não vão "pelo seu manual de ortodoxia" e por tanto devem ser cristianismo "falso" e por tanto em realidade, seguindo a linha argumental, "paganismo". 

Passados uns quantos séculos boa parte dos ritos descritos por Martinho seguem-se praticando por cristãos e vinculados a santos cristãos e santuários de peregrinação, ermidas, e igrejas sem problemas, é dizer são perfeitamente cristãos na forma em que a gente entende o cristianismo e não há motivo nenhum para pensar que isto deixara de ser o mesmo que acontecia já na época de Martinho. 



A fim de contas este não deixava de ser um estrangeiro, um eclesiástico panónio formado seguramente na rica e intrincada tradição teológica do Império de Oriente e que de seguro sofreria um autêntico choque cultural muito forte ao ver as formas do cristianismo ocidental (em este caso o da Gallaecia). 

fonte santa de Santo André de Teijido

Um choque cultural que conhecem muito vem os antropólogos atuais quando por primeira vez se iniciam no trabalho de campo numa cultura que lhes é alheia; se vem os antropólogos estão vacinados por seus estudos contra os andaços de etnocentrismo cultural mentes que os estudos teológicos bizantinos de Martinho o predispunham num sentido totalmente contrario cara esse contexto cultural extranho ao que se enfrentava ... 

A risco de ser pesados e enfáticos demais insistamos de novo: "a ortodoxia não existe" além do momento concreto em que de vez em quando se produz um novo "surto ortodoxo", como fenómeno que aflora na mente dalgum eclesiástico ou grupo de eclesiástico como agora sucede --outra vez mais de tantas- com o pároco de Santa Marta de Ribartemete.

Convencido de estar imerso numa cruzada "re-cristianizadora" (segundo afirma em declarações recentes aos jornais) contra o maléfico paganismo e a superstição do povo inculto e por defeito errado (como diz Bermejo "o povo nunca teve ração, porque não a poderia ter"), de igual jeito pensava Martinho de Dumio , e sem dúvida tão equivocado e condenado ao fracasso está um como ou outro estivo o outro.

Algum pode-me argumentar que essa "inexistência" da que eu falo pode ser matizada. e sim, se podem oferecer matizes, claro, se vem penso não invalidam em nada o argumento. Um de eles seria que isto foi assim pelo menos até que apareceu o Protestantismo que de certo algo mais conseguiu neste âmbito de combater a supostamente impura religião não-ordodoxa sive popular (sobre tudo no de liquidar esse reserborio de "sincretismo" que era já desde a Tardo-antiguidade o Santoral) ... 

Tampouco é que a Contrarreforma fora neutra, porque há que recordar que esta criou e generalizou a obriga de que existiram seminários diocesanos para a formação de todos os cregos dentro de cada jurisdição episcopal, o quais aumentaram o número de clérigos formados na tradição livresca e por tanto mais propensos a sofrer ataques de "cio ortodoxo". 


Como digo o Protestantismo sobre tudo algo fiz mais em este sentido, mas ainda seguem ai os ritos do Mari Llew galeses, os may-pole e os mumers dancer insulares, e todos os lumes solsticiais ainda bem vivos nos protestantissimos países do Norte Europeu, e não digamos já os irlandeses subindo anualmente na véspera do antigo Lughnasad a um Croach Patrick que está rodeado no vale de uma paisagem surcada de túmulos megalíticos e similares (uma paisagem sagrada de livro). 

Ou todos esses costumes e lendas que na Alemanha no século XIX ainda puderam recolher etnógrafos como os irmãos Grimm entre outros, ou Sebillot, Luzel, Villemarque na França; más que daquela já estavam entrando em fase terminal a medida que avançava a toda velocidade a Revolução Industrial e a sociedade tradicional desaparecia abruptamente.

Aqui onde a industrialização da agricultura ainda principiou a assomar -e timidamente- a meados dos anos 50, e os nossos avós ainda viveram boa parte da sua vida numa sociedade tradicional pura e dura, aqui neste recuncho até ontem e, em alguns caso, mesmo até hoje mesmo seguem vidas coisas que no resto do Ocidente da Europa estão mortas desde faz 200 anos. 



Em riqueza etnográfica a Península Ibérica e em especial o Noroeste e a sua prolongação pelo Cantábrico (Galiza, Norte de Portugal, Astúrias, parte do Ocidente de Leão, o Berço, e Samora, Cantábria, Euskadi) somos para a Europa Ocidental o que os Balcãs são na Europa Oriental: uma autêntica "Potência."

Volvendo ao caso mediático das Mortalhas de Santa Marta pessoalmente penso que esta cruzada do novo pároco é uma tentativa fortemente des-ubicada não só no seu contexto geográfico, cultural, que é o galego, senão diria que também espiritual, e ainda no contexto geral de uma contemporaneidade na que o mundo se apresenta cada vez mais "desencantado" e escindido não apenas já da transcendência, senão até dos mais mínimos átomos de religiosidade. 

Santo Cristo da agónía em Xende, 1977, fotografia Cristina Garcia Rodero

Eu pergunto-me; pode neste contexto de superavit de ateísmo, agnosticismo ou ainda de total indiferencia, permitir-se a Igreja oficial lutar num combate suicida contra o que creem os que ainda creem?, que sentido tem "des-ritualizar" (matar) o rito -dos poucos- que ainda vive entre a gente, porque "des-mitologiçar" os mitos que ainda pervivem?, e que quedara depois da defunção do rito e o mito? 

um exemplo "estirpação da idolatria" na actualidade

Recordava-me estes dias uma boa amiga -historiadora das religiões e mitologa de pró- uma frase de Dumezil que penso define perfeitamente a situação e que vinha a dizer mais ou menos algo assim: "O povo que deixa de crer nos seus mitos esta condenado indefetivelmente a perder a sua identidade e finalmente desaparecer", penso que o mesmo , e ainda de forma mais clara, se aplica também para o "Povo de Deus"



Foto principal: Castinheiro centenario de Santa Cristina de Ribas de Sil, Ourense.