terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Plinio e o Ius Latii na Citerior - Livro



Espinosa Espinosa, D., Plinio y los ‘oppida de antiguo Lacio’: el proceso de difusión del Latium en Hispania Citerior. BAR, Arqueopress, Oxford 2014  ISBN: 9781407313320


Sinopse
Este volume é o resultado de cinco anos de pesquisa sobre a política de latinização jurídica desenvolvido por Roma no Ocidente, focada na integração -sob a protecção da latinidade- de um conjunto de comunidades hispanas promovidas -na era republicana- para o status e -durante o Império- para o municipal.



 Esta pesquisa têm como objetivo demostras a plausibilidade, da existência durante a época de Augusto cinquenta "oppida" de ius latii vetus,  e das distintas evidências literárias, arqueológicas,  epigráficas e  numismáticas espalhadas na documentação preservada,  que Roma


tinha introduzido na Hispania uma política de colonização latina semelhante à estabelecida na Itália e na Gália Cisalpina, diversa nos seus aspectos constitucionais, mas semelhante nas suas metas e resultados finais.


O autor postula que este fato poderia explicar um conjunto de fenômenos históricos e desenvolvimentos relacionados com a existência de comunidades privilegiadas no eido hispânico, isto é, o envolvimento das províncias ibéricas no exército romano e os seus conflitos políticos,


a força de recrutamento militar, a intensidade do fluxo de migração itálico, a integração sócio-econômico das comunidades hispanas nas rotas comerciais do Mediterrâneo Ocidental, bem como a divulgação generalizada das instituições e formas culturais da koiné Roman-itálica


INDEX



+INFO sobre o livro:  Plinio y los Oppida de Antiguo Lacio

Ossos Mágicos e Cermiteríos - Palestra

Ossos Mágicos: Cemiteríos da Idade do Ferro na Guiné Equatorial

Quando: 18 dezembro
Onde: Pontevedra


Dentro do Ciclo de conferências vinculado a exposição Diversa. Arqueologia desde o Incipit além Europa, na quinta-feira 18 de dezembro decorrera uma palestra a cargo de Alfredo González Ruibal, cientista do CSIC que tera por título: Ossos mágicos: cemitérios da Idade de Ferro na Guiné Equatorial.



Nela apresentará os resultados das escavacións realizadas pelo Incipit entre 2009 e 2012 no cemitério prehistórico mais grande e mais importante conhecido até a data na África centro-ocidental. Ademais, explicará cómo estes resultados ajudam a compreender melhor a história das sociedades da zona, tanto na Prehistoria coma na actualidade.

A conferência tera lugar no salão de actos do Sexto Edifício do Museu de Pontevedra às 20:00, a entrada é livre até completar aforo.


+INFO na site do: Museu de Pontevedra

domingo, 14 de dezembro de 2014

HAU - Journal of Ethnographic Theory 4/2


HAU - Journal of Ethnografic Theory  
    
 Vol. 4/2, 2014


Translating worlds: The epistemological space of translation


INDEX



Ir ao numero da revista:  HAU 4/2

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Ethnographisch-Archäologische Zeitschrift Nº 53/1


Ethnographisch-Archäologische Zeitschrift
Vol. 53/1 - 2012


INDEX

Abhandlungen

«Das ergab aber ein so buntes und wenig eindrucksvolles Bild». Zu den Anfängen der archäologischen Kartographie in Deutschland (1870–1914)
Susanne Grunwald

Überlegungen zum organischen Gerätetyp «Vorschaft» des 
europäischen Magdalénien
Sebastian Pfeifer

Theoretische Archäologie und Historische Erzählung. Zu Hochkultur 
und Barbaricum am Beispiel der Fürstensitze der Späten Hallstattzeit
Beat Schweizer

Social Construction and the Invisible Gender Roles in Talensi 
House Construction
Gertrude Aba Mansah Eyifa-Dzidzienyo


Tagungsbericht

Gewalt und Gesellschaft. Dimensionen der Gewalt in ur- und frühgeschichtlicher Zeit. Bericht zur Tagung vom 14.–16. 
März 2013 in Würzburg
Thomas Link


Besprechungsaufsatz

Die Fundverteilungen von Kalkriese Oberesch im Rahmen einer Schlachtfeldarchäologie: Neue Aspekte zur Interpretation 
des Fundplatzes
Nils Müller-Scheeßel


Ir ao número da revista:  EAZ

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

150 Anos de Arqueologia - Congresso

150 Años de Arqueología: Teoría y Método de una disciplina

IV Congreso Internacional de Historia de la Arqueología
III Jornadas de Historiografía de la Arqueología SEHA-MAN

Quando: 11-13 Decembro
Onde:  Madrid


A Sociedade Espanhola de História da Arqueologia (SEHA) e o Museo Arqueológico Nacional (MAN) de Madrid (Espanha) organizam o Congresso 150 Anos de Arqueologia: Teoria e Metodo de uma Disciplina. 


A história da arqueologia tem uma vida relativamente curta, mas tem, nas últimas duas décadas, feito grandes progressos em todo o mundo e em grande parte também na Espanha. De alguma forma, a história da arqueologia perdeu sua inocência e chegou a uma maturidade como sub-disciplina.


Essa maturidade precisa dum aprofundamento das metodologias próprias da historiografia arqueológica como jeito de reflexionar sobre as formas de fazer arqueologia. Confrontado à falsa historiografia, a historiografia crítica precisa aperfeiçoar suas ferramentas de trabalho e aproximações de Estudo


O objetivo deste congresso é e assim apresentar, discutir e marcar as linhas mais recentes de historigorafía e também reflexionar sobre as suas perspectivas de futuro.

Programa



+INFO no site do:  MAN

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Ficheiro Epigráfico Nº 124 - 2014


FICHEIRO EPIGRÁFICO 124 - 2014


Esta on-line o último número da revista Ficheiro Epigráfico, suplemento de Conímbriga, neste número dá-se notícia de 4 novas inscrições


INDEX

527 - Placa funerária romana da Herdade da Comenda Grande (Conventus Pacensis)
Ruben Barbosa, José d'Encarnação

528 - Estela funerária da Herdade da Moita (Conventus Pacensis)
José d'Encarnação, João Pedro Joaquim

529 - Estela de Jaraicejo, Cáceres (Conventus Emeritensis)
Julio Esteban Ortega, José António Pajuelo Jiménez

530 - Cupa funerária anepígrafa em Veiros (Conventus Emeritensis)
Francisco Bilou, José d'Encarnação



Ir ao número da revista:  FE

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Entre Romanos e Vascões


Cuadernos de Arqueología de la Universidad de Navarra Nº 21, 2013  
  
Entre Vascones y Romanos. Sobre las tierras de Navarra en la Antigüedad


INDEX

In memoriam – Jürgen Untermann (1928-2013)  p.9
José Luis Ramírez Sádaba

Presentación: de nuevo sobre los Vascones y sobre las tierras de Navarra en la Antigüedad  p.13
Javier Andreu Pintado

Las primeras incursiones cartaginesas y romanas en el Valle Medio del Ebro  p.19
Serafín Olcoz Yanguas, Manuel Medrano Marqués

Las tierras de Navarra en época tardorepublicana: entre la revisión historiográfica y los nuevos planteamientos   p.31
Luis Amela Valverde

El límite occidental del convento jurídico Cesaraugustano  p.51
Francisco Beltrán Lloris, Javier Velaza Frías

Notas sobre onomástica de época romana relacionada con el territorio navarro p. 73
Carmen Castillo García

Pautas generales del hábito epigráfico entre los Vascones durante el Principado (siglos I-III d.C.) p. 81
Ángel A. Jordán Lorenzo

La religión de los Vascones. Una mirada comparativa. Concomitancias y diferencias con la de sus vecinos  p. 113
Joaquín gorrochategui Churruca, José Luis Ramírez Sádaba

Siglo y medio de investigaciones: estado actual de la Arqueología de época antigua en Navarra p.151
Javier Armendáriz Martija

Un barrio artesanal periurbano en la ciudad romana de Pompelo  p. 219
María García-Barberena Unzu, Mercedes Unzu Urmeneta

Novedades en torno a la posible localización de Iturissa (Espinal/Burguete, Navarra) p. 257
María Peréx Agorreta, Mercedes Unzu Urmeneta

Vestigios del poblamiento romano bajo la ciudad de Tudela. Estado actual de la investigación p. 269
Juan José Bienes Calvo

El “patio oriental” de la villa romana de Liédena (Navarra) en el Bajo Imperio y la annona militaris: una propuesta  p. 291
Carlos Zuza Astiz

Novedades sobre el poblamiento antiguo en la parte navarra de la Val d’Onsella  p. 309
Nicolás Zuazúa Wegener

Nicasio Landa y su aportación a la Historia Antigua de Navarra: sobre la lectura y transcripción de las inscripciones romanas de Gastiáin  p. 335
Pablo Ozcáriz Gil

Los Vascones van al Instituto: la imagen de la Navarra antigua en las publicaciones didácticas y escolares contemporáneas p.355
Javier Andreu Pintado


Ir ao número de:  CAUN 21

sábado, 29 de novembro de 2014

OLLODAGOS Nº 30 - 2014


OLLODAGOS Nº 30


INDEX

La légende du sac de grue
Sterckx, C.

Religion et romanisation en Lyonnaise seconde. 
Le recours à la toponymie
Lajoye, P.

Les étranges idées d’Honorius Augustodunensis sur la conception de l’homme et de la société
Lajoye, P.

The reconstruction of the pre-christian slavic religion and iranian lexical borrowing: a methodological review
Álvarez-Pedrosa, J.A.


Comptes rendus

Ambipositions in the funerary inscription from Novilara
De Ligt, L

Une collecte de motifs hagio-folkloriques d’origine irlandaise dans le Trégor médiéval : la Vie ancienne de saint Mélar de Lanmeur
Bourgès, A.Y

Brian Boru et la bataille de Clontarf
Kurzawa, F.

An Fhiannaíocht, témoignage historique vivant
Bihan-Gallic, F.

Sertorius et Lug
Sauzeau, P.

Le chaudron de Gundestrup : la clé de l’énigme?
Maumené, C.


quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Os Castros do Wessex - Livro


The Wessex Hillforts Project

Cunliffe, B., Payne, A. & Corney, M., The Wessex Hillforts Project: Extensive Survey of Hillfort Interiors in Central Southern England. English Heritage, 2006  ISBN: 9781848022218


Sinopse
O Wessex Hillfort Survey reuniu uma grande quantidade de dados sobre o interior dos castros do Wessex em uma parceria de três anos entre o Ancient Monuments Laboratory do English Heritage e a Universidade de Oxford.



Essas recintos defendidos, comprendem desde o final da Idade do Bronze ate os últimos séculos antes da conquista romana, o seu interesse arqueológico há muito tempo que atraiu o interesse da arqueologia e a função destas fortificações é fundamental para o estudo da Idade Ferro.


O elevado esforço comunal e alto grau de organização social indicado por estes asentamento alimenta o debate sobre se eles eram redutos de chefes celtas, centros comunitários da população ou temporários de refugio ocupados estacionalmente ou em tempos de agitação.


Los datos revelan no sólo la complejidad del registro arqueológico conservado dentro de los castros, sino también una gran variedad en la complejidad de estos sitios arqueologicos.


 INDEX



Descarrega o livro no site de:  ADS

terça-feira, 25 de novembro de 2014

English Heritage Monographs em aberto


O English Heritage (EH) em colaboração como o Archaeology Data Service (ADS) vêm de disponibilizar em rede 84 das suas EH Monographs, que cobrem uma ampla gama de assuntos, períodos e especializações.


English Heritage tem uma longa tradição de produção de monografias arqueológicas sobre locais-chave e temas de importância para a compreensão da historia da Inglaterra. Muitos dos títulos anteriores tenham sido por muito tempo fora de catálogo e ainda são de valor como publicações de referência.

English Heritage agora está fazendo os seus títulos disponíveis como ebooks e como PDFs que podem ser descarregados gratuitamente desde o site do ADS


Consulta aqui o catalogo das:  English Heritage Monographs

domingo, 23 de novembro de 2014

Geopolítica do Imperio Romano - Livro

GÉOPOLITIQUE DE L´EMPIRE ROMAIN

Le Bohec, J., Géopolitique de l’Empire romain. Ellipses, 2014. 256pp.  ISBN: 9782340002586


Sinopse
Como se pudo constituir e pudo manter ao longo do tempo um império que reuniu a povos tão diversos, cujas fronteiras se estendiam sobre 17 000 km, e cuja segurança não estava assegurada, na época, mas que por uma trintena de legiones que, com seus auxiliares, representavam apenas uma força de 250 000 homens?


Esta obra analisa as condições políticas, militares, económicas e ideológicas que permitieram a uma pequena cidade do Lacio impor-se à Itália e depois a tudo o conjunto do Mediterrâneo. 



Permite compreender como, ao fio dos séculos, o pragmatismo dos generais e dos imperadores lhes permitiu explodir da melhor maneira os meios de que dispunham e as condições geográficas muito diversas que apresentava este vasto conjunto territorial, para assegurar a expansão e preservação do seu domínio.


INDEX



+INFO sobre o livro:  Géopolitique de l’Empire romain

Ficheiro Epigráfico Nº 123 - 2014



FICHEIRO EPIGRÁFICO 123 - 2014


Esta on-line o último número da revista Ficheiro Epigráfico, suplemento de Conímbriga, neste número dá-se notícia de 4 novas inscrições


INDEX

523 - Fragmento de estela en Abertura (Conventus Emeritensis)
Julio Esteban Ortega

524 - Placa funeraria de Cilleros / Cáceres (Conventus Emeritensis)
Julio Esteban Ortega

525 - Nueva inscripción funeraria en Peñalba de Castro / Burgos
David Sevillano López, Mariano Rodríguez Ceballos

526 - Pendente com crísmon e inscrição
António Sá Coixão, José d'Encarnação



Ir ao número da revista:  FE

sábado, 22 de novembro de 2014

Magistrados Locais em Hispânia - Livro


Magistrados Locales de Hispania 

Ortiz de Urbina Álava, E. (ed.), Magistrados locales de Hispania. Aspectos históricos, jurídicos, lingüísticos. Anejos de Veleia. Series Acta. Revisiones de Historia Antigua Nº 13, Vitoria, 2013  ISBN: 978-84-9860-756-7


Sinopse
O título desta monografia faz referência a quem são objetivo de análise, os notáveis que de forma transitória foram designados para diferentes atribuições necessárias para o funcionamento político das cidades e comunidades cívicas hispanas.


Também se analisam questões jurídicas e históricas não exclusivamente hispanas, relativas à malha cívica no âmbito itálico (Itália, Galia Cisalpina) que posteriormente séria projetada às comunidades não itálicas.


Os contributos pressentam um caracter interdisciplinar, com uma perspectiva que integra aspectos históricos, jurídicos e linguísticos, desenvolvidos pelos destacados pesquisadores no campo da história antiga, o direito, a epigrafia ou a linguística indo-européia.


 INDEX



+INFO sobre o livro:  Magistrados locales Hisp.

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Nas Origens do Celtismo Galego - Livro


Nas Orixes do Celtismo Galego

Pereira Gonzalez, F., Nas Orixes do Celtismo Galego. Os celtas na historiografía dos séculos XVII e XVIII. Edição do autor, 2014


Sinopse
Este livro pretende ser um contributo ao estudo do celtismo galego. Está escrito com a finalidade de dar a conhecer a sua história, e mais concretamente os primeiros momentos dessa história, que também são os mais desconhecidos.


Às avesas do que se adoita pensar, o celtismo galego não foi uma invenção dos historiadores e literatos do século XIX, senão que as menções à presença dos antigos celtas em terras galegas já se podem encontrar em numerosos autores que escreveram acerca do passado peninsular desde o século XVI em adiante.


No caso concreto da historiografía galega, as referências aos celtas detectam-se a partir do século XVII e sobretudo no XVIII.


 INDEX



Descarrega o livro em:  Academia.edu

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Pyrenae Vol. 45/1 - 2014


PYRENAE Vol. 45/ 1, 2014


Article de fons

Arquitectura clásica y lenguaje   pp. 7-27
Miguel Ángel De la Iglesia Santamaría

Articles

Caracterización de las materias primas líticas del yacimiento paleolítico de la Dolina de l’Esquerda de les Alzines (macizo del Garraf, Barcelona)  pp. 31-54
Mar Rey-Solé, Xavier Mangado Llach, Joan Daura Luján,
Montserrat Sanz

Sobre la neolitización de los grupos mesolíticos en el este de la Península Ibérica: la exclusión como posibilidad  pp. 55-88
Francisco Javier Jover Maestre, Gabriel García Atiénzar

La civitas sine urbe y su función de vertebración en el territorio provincial hispano: los casos de Egara y Caldes de Montbui  
pp. 89-110
Joan Oller Guzmán

Consumo de moluscos en la cannaba de Ad Legionem VII Geminam (Puente Castro, León)  pp. 111-123
Víctor Bejega García, Eduardo González Gómez de Agüero, Emilio Campomanes Alvaredo, Felipe San Román Fernández,
Fernando Muñoz Villarejo

El signaculum de Caius Valerius Avitus, duoviro de Tarraco y propietario de la villa de Els Munts (Altafulla)   pp. 125-151
Joaquín Ruiz de Arbulo

Asiriología y política. Joaquín Peñuela y la diplomacia española durante el primer franquismo pp. 153-169
Agnès Garcia-Ventura, Jordi Vidal


Ir ao numero da revista:  Pyrenae

Colapso e paleoclima no Bronze Final



Um estudo dirigido pelo arqueólogo Ian Armit (Univ. de Bradford) que contou com a colaboração de arqueólogos e cientistas ambientais das Univ. de Bradford, Leeds, o University College Cork, Irlanda (UCC), e a Queen´s University Belfast publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, propõe uma crítica a algumas teorias sobre o fim da Idade do Bronze na Europa Ocidental.


Estudos paleoambientales recentes identificaram uma mudança climática brusco em torno do 750 a.C no Noroeste da Europa, que foi vinculada frequentemente com o colapso das sociedades do bronze em boa parte da Europa Ocidental, neste sentido se propôs esta hipótese para os casos da Escócia, Centroeuropa e Europa Ocidental de modo geral, ou ainda para explicar a expansão da cultura escita ao longo da estepa euroasiática, como consequências diretas desta mudança climática.


Enquanto durante o Bronze Final produz-se um auge e crescimento dos assentamentos e da produção artesanal, o registo da primeira Idade do Ferro mostra-se escasso, o que levou a propor que durante este período se produzir uma queda demográfica.


Neste sentido o novo estudo contradiz em parte os presupostos deterministas e apresenta um palco mais matizado das interrelações entre médio e cultura, propondo que o colapso das sociedades do Bronze Final deveria se procurar mais em fatores sócio-económicos.


Os autores do estudo partem da análise conjunta das datações do Carbono 14 junto com os dados paleoambientales procedentes dos pantanos irlandes, o que permite constatar que a crise das comunidades do Bronze precede em um século (800 a.C) à mudança climática do 750 a.C.


As causas do colapso teria que procurar-se na crise do Sistema económico do Bronze Final, baseado em uma complexa rede de relações comerciais a longa distância baseadas na produção de bronze e o abastecimento das matérias primas necesarias.


A introdução da tecnologia do ferro menos escaso e fazil de conseguer e a "democratização" subsequente do uso de ferramentas metálicas, unido à menor necesidade de cobre e estanho levariam a uma queda da demanda que faria a rede originada pelo comercio do bronze innecesaria e causariam a colapso das complexas estruturas sociais hierarquizavas emergentes que se sustentavam nela: "a desestabilização social resultante pôde bem ser a causa do colapso populacional de finais da Idade do Bronze"


Referência

Armit, I., Swindlesb, G.T., Beckerc, K., Plunkettd, G. & Blaauwd, M., "Rapid climate change did not cause population collapse at the end of the European Bronze Age" PNAS November 17, 2014  DOI: 10.1073/pnas.1408028111


Descarrega o artigo em:  ResearchGate