quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Journal Archaeological Method & Theory 17/ 3


Journal of Archaeological Method and Theory
17/ 3 2010


Special Issue: 
Innovations in the Chemical Analysis of Activity Areas


Prologue to Uses of Chemical Residues to Make Statements About Human Activities pp.175-182
Vance T. Holliday, Denise Lawrence-Zuniga & Victor Buchli

The Study of Archaeological Floors: Methodological Proposal for the Analysis of Anthropogenic Residues by Spot Tests, ICP-OES,
 and GC-MS pp. 183-208
William D. Middleton, Luis Barba, Alessandra Pecci, James H. Burton, Agustin Ortiz, Laura Salvini & Roberto Rodriguez Suárez

Sampling Design and Inferential Bias in Archaeological 
Soil Chemistry pp.209-230
E. Christian Wells

The Ben Lawers Historic Landscape Project: Simultaneous Multi-element Analysis of Former Settlement and Arable Soils by X-ray Fluorescence Spectrometry pp. 231-248
Peter W. Abrahams, Jane A. Entwistle & Robert A. Dodgshon

Social Spaces of Daily Life: A Reflexive Approach to the Analysis of Chemical Residues by Multivariate Spatial Analysis pp. 249-278
Sandra L. López Varela, Christopher D. Dore

Kaleidoscopes, Palimpsests, and Clay: Realities and Complexities in Human Activities and Soil Chemical/Residue Analysis pp. 279-302
Christopher D. Dore, Sandra L. López Varela

   

Ir ao número de:   J. Arch Method & Theory

Journal Archaeological Method & Theory 17/ 4


Journal of Archaeological Method and Theory
17/ 4 2010

Special Issue: 
Archaeological Perspectives on Niche Construction Theory


Niche Construction Theory and Archaeology pp.303-322
Kevin N. Laland & Michael J. O’Brien

A Niche Construction Perspective on the Middle–Upper Paleolithic Transition in Italy pp.323-355
Julien Riel-Salvatore

Why Didn’t Agriculture Develop in Japan? A Consideration of Jomon Ecological Style, Niche Construction, and the Origins of Domestication. pp.356-370
Peter Bleed & Akira Matsui

Evolutionary Ecology, Resource Depression, and Niche Construction Theory: Applications to Central California Hunter-Gatherers and Mimbres-Mogollon Agriculturalists pp.371-421
Jack M. Broughton, Michael D. Cannon & Eric J. Bartelink

   

Ir ao número de:  J. Arch Method & Theory

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

CELTICA nº 26 - 2010


Celtica  

Journal of the School of Celtic Studies 
Vol. 26, 2010



Contents

Togha na hÉigse 1700–1800
Pádraig A. Breatnach  p. 1

Problematic pigs: swine values in Bodleian MS Rawlinson B 506
Charlene M. Eska   p. 23

Cauldron imagery in a legal passage on judges
Fergus Kelly   p. 31

A phonological note on OIr -tuinmell
Fredrik Otto Lindeman p. 44

A Gaulish prayer for vengeance on a lamella from Lezoux
Bernard Mees p. 48

Uí Dhiarmada agus a sloinne (Ua Con Cheanainn)
Tomás Ó Con Cheanainn   p. 66

An elegy for Seaán Óg Ó Dochartaigh
Pádraig Ó Macháin   p. 89

Locating Mag Itir dā Glais: a church site in Machae
Mícheál B. Ó Mainnín p. 111

An unwonted toponymical error by John O'Donovan
Nollaig Ó Muraíle p. 122

The Irish genealogies—an overview and some desiderata
Nollaig Ó Muraíle   p. 128

‘For the entertainment of lords and commons of later times’:
past and remembrance in Acallam na Senórach
Dagmar Schlüter   p. 146

A note on Cethairṡlicht Athgabálae
Amy Smith    p. 161

One saint, two fathers, and three men in a boat: 
The Life of St Colum of Terryglass
Ingrid Sperber   p. 171

The Ogham in 3D Pilot Project: a report on work in progress
Nora White, Fergus Kelly   p. 200



Ir ao site da revista:  Celtica

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Georges Dumézil - Aprostrophes 1986



Aproveitamos agora para deixar aqui esta entrevista que no ano 1986 dentro do programa da televisão francesa Apostrophes deu o indo-europeísta Georges Dumézil. Linguista e mitologo Dumézil e conhecido por ter ressuscitado o estudo da mitologia indo-europeia para a História das Religiões.



Na entrevista o sábio pesquisador, autor de um colossal produção bibliografica dificilmente igualável em quantidade (uma listagem só dos seus livros aqui) passa revista a seu percurso pola vida e pola ciência incluindo de passo algumas geniais sentenças sobre a própria profissão de écolier que dão a grande talha, e ao mesmo tempo profunda humildade pessoal e cientifica, do que foi um dos clássicos da historia das religiões do, já passado, século XX

Apenas tres meses depois desta entrevista o genial indo-europeista françes morreria em Paris tal dia como hoje


domingo, 10 de outubro de 2010

Caminho dos Arrieiros 2ª etapa - O video



Por fim , e não sem tempo, chega mês de Abril do ano passado aqui a tão esperada segunda entrega do video-reportagem sob o percorrido pelo Caminho dos Arrieiros que promovido pela Plataforma na Defensa do Património de As Pontes, nesta segunda etapa que se percorreu, passo a passo, como mandam os cânones, pelos montes entre o Mouraz e o porto do Coido de Vares


segunda-feira, 20 de setembro de 2010

European Journal of Archaeology 13/2

 

European Journal of Archaeology
Agosto 2010 13/2


Alan Saville: Editorial
pp.147-148

Eva Andersson Strand, Karin Margarita Frei, Margarita Gleba, Ulla Mannering, Marie-Louise Nosch & Irene Skals: Old Textiles — New Possibilities
pp. 149-173

Chris Scarre: Rocks of Ages: Tempo and Time in Megalithic Monuments
pp.  175-193

Carla Maria Braz Martins: The Mining Complex of Braçal and Malhada, Portugal: Lead Mining in Roman Times and Linking Historical Social Trends — Amphitheatre Games
pp. 195-216

Marta Caroscio: Archaeological Data and Written Sources: Lustreware Production in Renaissance Italy, a Case Study
pp.  217-244

Anthony Harding: Book Review Essay War and Weaponry in Prehistoric Europe: Heidi Peter-Röcher, Gewalt und Krieg im prähistorischen Europa. Beiträge zur Konfliktforschung auf der Grundlage archäologischer, anthropologischer und ethnologischer Quellen. (Universitätsforschungen zur prähistorischen Archäologie, Band 143, Bonn: Rudolf Habelt, 2007, 343 pp., pbk, ISBN 978 3 7749 3504 4) Susanne Weinberger, Warfare in the Austrian Weinviertel during the Early Bronze Age. (Wien: Österreichische Akademie der Wissenschaften, 2008, 125 pp.)
pp. 245-248

Marta Caroscio: Book Review: Student Guides To Material Culture: Arthur Asa Berger, What Objects Mean. An Introduction to Material Culture. (Walnut Creek, CA: Left Coast Press, 2009, 248 pp., pbk, ISBN 978 1 598 74411 8) Karen Harvey, ed., History and Material Culture. A Student’s Guide to Approaching Alternative Sources. (London and New York: Routledge, 2009, 224 pp.)
pp. 248-250

Björn Nilsson: Book Review: Wide-Ranging Perspectives On Archaeology and Material Studies: Linda M. Hurcombe, Archaeological Artefacts as Material Culture. (London and New York: Routledge, 2007, xvi + 286 pp., 67 figs, 10 tables, pbk, ISBN 978 0 415 32092 4) James M. Skibo and Michael Brian Schiffer, People and Things. A Behavioral Approach to Material Culture. (New York: Springer, 2008, xiii + 170 pp.)
pp.  250-253,

Raimond Thörn: Book Review: Dragos Gheorghiu, ed., Early Farmers, Late Foragers, and Ceramic Traditions: On the Beginning of Pottery in the Near East and Europe. (Newcastle upon Tyne: Cambridge Scholars Publishing, 2009, 275 pp.)
pp.253-254,

Leonardo García Sanjuán: Book Review: Katina T. Lillios, Heraldry for the Dead. Memory, Identity, and the Engraved Stone Plaques of Neolithic Iberia. (Austin: University of Texas Press, 2008, 218 + xi pp)
pp. 255-257,

Lolita Nikolova: Book Review: Svend Hansen, Bilder vom Menschen der Steinzeit. Untersuchungen zur anthropomorphen Plastik der Jungsteinzeit und Kupferzeit in Südosteuropa. Teil I: Text. Teil II: Tafeln 1—532. (Mainz: Philipp von Zabern [Archäologie in Eurasien, 20], 2007, 547 pp.)
pp.  257-259,

Oscar Aldred: Book Review: Barbara Bender, Sue Hamilton and Chris Tilley, eds, Stone Worlds. Narrative and Reflexivity in Landscape Archaeology. (Walnut Creek, CA: Left Coast Press, 2007, 464 pp.)
pp.  259-261,

Teresa Chapa Brunet: Book Review: Barry Cunliffe, Chris Gosden, Rosemary A. Joyce, eds, The Oxford Handbook of Archaeology. (Oxford and New York: Oxford University Press, 2009, 1161 pp.)
pp. 261-263,

Anna McWilliams: Book Review: John Schofield and Wayne Cocroft, eds, A Fearsome Heritage: Diverse Legacies of the Cold War. (Walnut Creek, CA: Left Coast Press [One World Archaeology, vol 50], 2007, 336 pp., illustr., hbk, ISBN 978 1 598 74258 9)
pp.263-265,

Diane Barthel-Bouchier: Book Review: Marie Louise Stig Sørensen and John Carman, eds, Heritage Studies: Methods and Approaches. (London and New York: Routledge, 2009, 360 pp.)
pp.  265-267

Manuel A. Fernández-Götz: Book Review: Ton Derks and Nico Roymans, eds, Ethnic Constructs in Antiquity: The Role of Power and Tradition. (Amsterdam: Amsterdam University Press, 2009. 344 pp.)
pp. 267-268,

Adela Mates: Book Review: Peter F. Biehl and Yuri Ya. Rassamakin, eds, Import and Imitation in Archaeology. (Langenweißbach: Beier & Beran [Schriften des Zentrums für Archäologie und Kulturgeschichte des Schwarzmeerraumes 11], 2008, 254 pp.)
pp. 268-270

William Meyer: Book Review: Jana Maříková-Kubková, Nathan Schlanger and Sonia Lévin, eds, Sites of Memory: Between Scientific Research and Collective Representations. Proceedings of the AREA Seminar at Prague Castle, February 2006. (Prague: Archeologický Ústav AV ČR [Castrum Pragense 8], 2008, 123 pp., )
pp. 270-272

Gavin Lucas: Book Review: Laurent Olivier, Le Sombre Abîme du Temps. (Paris: Éditions de Seuil, 2008, 303 pp.)
pp.  273-275

Sam TurnerBook Review: Ingunn Holm, Kathrine Stene and Eva Svensson, eds, Liminal Landscapes: Beyond the Concepts of ‘Marginality’ and ‘Periphery’. (Oslo: Unipub / Oslo Academic Press [Oslo Archaeological Series 11], 2009, 208 pp)
pp.  275-276

Anna-Karin Andersson: Book Review: Norman Yoffee, ed., Negotiating the Past in the Past. Identity, Memory, and Landscape in Archaeological Research. (Tucson: University of Arizona Press, 2007, 288 pp.)
pp. 276-277


Ir ao site do: JEA

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Journal of Material Culture Vol 15, nº 3



Journal of Material Culture 2010 15/3

Table of Contents

George F. Lau: The work of surfaces: object worlds and techniques of enhancement in the ancient Andes pp 259-286

Tom Rice: ‘The hallmark of a doctor’: the stethoscope and the making of medical identity pp.  287-301

Chris Wingfield: A case re-opened: the science and folklore of a ‘Witch’s Ladder’ pp. 302-322

Vesa-Pekka Herva: Maps and magic in Renaissance Europe pp. 323-343,

David Harvey: Broad Down, Devon: archaeological and other stories pp.  345-367




Ir ao site do JMC

O tempo dos Diadocos - Simposio Internacional


The Time of the Diadochi (323-281 BC)


V Internacional Simposium, UDC, 9-11 Setempter 2010
Thursday 9 September (rectorado)

9:30 Welcome Addresses & Inauguration

9:30 -10:15 Brian Boswoth presiding

Key note Speaker

10:15 -11:15 Victor Alonso Troncoso, presiding

John Walsh (University of Calgary): Continuity in a Time of Chaos

Frances Pownall (University of Alberta): Duris of Samos and the Diadochi

11:15 – 11:45 Coffee Break

11:45 – 13:15 Edward Anson presiding

Tom Boiy (Katholieke Universiteit Leuven: Diadoch History in Cuneiform Documentation

Brian Bosworth (Macquarie University, Sydney): Strabo and the Diadochi

Antonio Guzmán Guerra (Universidad Complutense de Madrid):
Peripheral People´s Utopies: A Review of Onesicritus Fragment 24th (FGrHist)
13:15 – 16 Lunch

16-18 Marek Olbrycht presiding

Joseph Roisman (Colby College, Waterville, ME): Eumenes of Cardia and Crateus: Enemies and Friends

Edward Anson (University of Arkansas at Little Rock): The Battle of Gabene: Eumenes´Inescapable Doom?

Franca Landucci (Università Cattolica di Milano): Seleucus vs Antigonus: Fighting to Death

Elizabeth Baynham (University of Newcastle): The Argyraspids: Tough Old Fighters, or Antigonid Myth?


18 - 18:30 Coffee Break

18:30 – 20 Frances Pownall presiding

Shane Wallace (University of Edinburgh): Between City, League, and King:
Adeimantos of Lampsakos and the Development of the Hellenistic Philos


Brian Sheridan (University of Ireland): How to win friends and influence People:
An Examination of the Mayor and Minor Figures of Diodorus´18 Book

Victor Alonso Troncoso (UDC): The Diadochi and the Zoology of Kingship



Friday 10 September (Escuela Superior de Náutica)

9:30 – 11 Antonio Gúzman Guerra presiding

Elisabettt Poddighe (Università di Cagliari): Ideology, Vocabulary and Forms of Political
 Communication between the Macedonian Rulers and the Greek Cities:
The Diagramma issued by Polyperchon to recall the Exiles and the return the Peace of Greek Cities (319 BC)


Paschalis Paschidis (KERA, Athens): Agora XVI 107 and the Role of the Greek Poleis
in the Assumption of the Royal Title by the Diadochi


Giuseppe Squillace (Universià della Calabria): Alexander the Great, Ptolemy I
and the Offering of Arms to Athena Lindia

11 – 11:30 Coffee Break

11:30 -13 Joseph Roisman presiding
Daniel Ogden (University of Exeter): The Ptolemaic Adoption of Agathos Daimon

Sabine Müller (Christian-Albrechts-Universität zu Kiel): The Developtment of the Female Element
 in the Political Self-Fashioning of the Diadochs

Timothy Howe (St Olaf College, Northfield, MN): Constructing Alexander.
The Diadochi, Invented Tradition, and Alexander´s Expedition to Siwah

13 -16 Lunch

16 – 17 Tom Boisy presiding

Marek Olbrycht (Univesytet Rzeszowski): Iranians in the Diadochi Period: Political, Military, and Cultural Factors

Luis Ballesteros Pastor (Universidad de Sevilla): Nullis umquam nisi domesticis regibus paruisse.
Cappadocia, Pontus and the Resistance to the Diadochi in Asia Minor


17 -17: 15 Break

17:15 – 19 Waldemar Heckel presiding
Alexander Meeus (Katholieke Universiteit Leuven): What we do not know about the Age of the Successors

L. Ballesteros Pastor, E. Baynham, F. Landucci Gattinoni, D. Ogden: Discussion and General Conclusions


Victor Alonso Troncoso: Closing Words

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Novas Perspetivas sobre o Neolítico 1


New Light in the Dawn
a new perspective on the Neolithic Revolution in Southwest Asia

Trevor Watkins
Rhind Lectures 2009, Edimburgo


Resume: 

Desde que Gordon Childe criara o termo Revolução Neolítica (ou Agrícola), a investigação das origens e primórdios da agricultura no Lebante Mediterrâneo têm preocupado a gerações de arqueólogos/as. A pregunta de "por que, então? por que não antes?" continua a desafiar-nos. Recentes avanços na aplicação da teoria da evolução à psicologia cognitiva e a teoria cultural pode ser relacionado com o mundo material e simbólico que estas comunidades criaram durante este periodo da pre-historia.

Podemos ver como as pessoas naquela época começou a viver de uma maneira nova, porque a natureza das faculdades cognitivas e culturais tornam isso possível. Podemos explorar as complexidades conceituais da formação e manutenção destas novas comunidades e podemos definir essas inovações desde o ponto de vista da evolução cognitiva e cultural do ser humano, que permitiu o uso de uma cultura totalmente simbólica, seja na linguagem, ou na arte, a arquitetura, ou a ciência.


Introdução por Dr Barbara Crawford, Presidenta da Society of Antiquaries of Scotland



1. From economic to social and cultural revolution



2. From hunting and harvesting to cultivation, herding and domestication




+INFO no site:  Society of Antiquaries of Scotland

Novas Perspetivas sobre o Neolítico 2


New Light in the Dawn - Rhind Lectures 2009
Trevor Watkins



3.Settling down, staying together: from Epi-palaeolithic to Neolithic



4. Architecture, monuments and "theatres of memory"



5. Evolutionary context: the emergence of the modern humand mind




Novas Perspetivas sobre o Neolítico 3


New Light in the Dawn - Rhind Lectures 2009
Trevor Watkins



6. Putting the story together



Question and answer session




Novidades - Anthropological Theory


Anthropological Theory nº 10/3, Septembro 2010


-Un/knowing and the practice of ethnography: A reflection on some Western cosmo-ontological notions and  their anthropological application
  Jadran Mimica
  pp 203-228

- Cultural models and the dream: US Cinderellas and identity 
  Jeannette Mageo
  pp 229-246

-Of words and fog: Linguistic relativity and Amerindian ontology
  Magnus Course
  pp 247-263

-‘Heart of Darkness’: Current images of the DRC and their theoretical underpinning
 Patience Kabamba
pp 265-301 

-‘You aren’t the first and you won’t be the last’: Reflections on moral change in contemporary rural Ireland
 China Scherz
  pp 303-318 


Ir ao site de Anthropological Theory

Novidades - Journal of Archaeological Science





Journal of Archaeological Science Vol. 37, 11, Novembro 2010


-Technological traditions inferred from iron artefacts of the Xiongnu Empire in Mongolia
Jang-Sik Park, Eregzen Gelegdorj, Yeruul-Erdene Chimiddorj
pp 2689-2697

-Romita pottery revisited: a reassessment of the provenance of ceramics from Colonial Mexico by LA-MC-ICP-MS
Javier G. Iñañez, Jeremy J. Bellucci, Enrique Rodríguez-Alegría, Richard Ash, William McDonough, Robert J. Speakman
pp 2698-2704

-The use of SEM-EDS, PIXE and EDXRF for obsidian provenance studies in the Near East: a case study from Neolithic Çatalhöyük (central Anatolia)
Gérard Poupeau, François-Xavier Le Bourdonnec, Tristan Carter, Sarah Delerue, M. Steven Shackley, Jean-Alix Barrat, Stéphan Dubernet, Philippe Moretto, Thomas Calligaro, Marina Milić, Katsuji Kobayashi
pp 2705-2720

-Trauma and pathology of a buried dog from San Nicolas Island, California, U.S.A. Barney G. Bartelle, René L. Vellanoweth, Elizabeth S. Netherton, Nicholas W. Poister, William E. Kendig, Amira F. Ainis, Ryan J. Glenn, Johanna V. Marty, Lisa Thomas-Barnett, Steven J. Schwartz
pp 2721-2734

-A new approach to study the fuel used in hearths by hunter-gatherers at the Upper Palaeolithic site of Abri Pataud (Dordogne, France)
L. Marquer, T. Otto, R. Nespoulet, L. Chiotti
pp 2735-2746

-Le Grand Abri aux Puces, a Mousterian site from the Last Interglacial: paleogeography, paleoenvironment, and new excavation results
Ludovic Slimak, Jason E. Lewis, Evelyne Crégut-Bonnoure, Laure Metz, Vincent Ollivier, Pierre André, Julia Chrzavzez, Yves Giraud, Marcel Jeannet, Frédéric Magnin
pp 2747-2761

-On some remains of dog (Canis familiaris) from the Mesolithic shell-middens of Muge, Portugal,
Cleia Detry, João Luís Cardoso
pp 2762-2774

-On the origins of extractive metallurgy: new evidence from Europe
Miljana Radivojević, Thilo Rehren, Ernst Pernicka, Dušan Šljivar, Michael Brauns, Dušan Borić
pp 2775-2787

-Evidence for size increase in an exploited mollusc: humped conch (Strombus gibberulus) at Chelechol ra Orrak, Palau from ca. 3000–0 BP
Christina M. Giovas, Scott M. Fitzpatrick, Meagan Clark, Mira Abed
pp 2788-2798

-Burning wood or burning bone? A reconsideration of flotation evidence from Upper Palaeolithic (Gravettian) sites in the Moravian Corridor
David G. Beresford-Jones, Katherine Johnson, Alexander G. Pullen, Alexander J.E. Pryor, Jiří Svoboda, Martin K. Jones
pp 2799-2811

-Cattle mobility in prehistoric Britain: strontium isotope analysis of cattle teeth from Durrington Walls (Wiltshire, Britain)
Sarah Viner, Jane Evans, Umberto Albarella, Mike Parker Pearson
pp 2812-2820

-The integration of chronological and archaeological information to date building construction: an example from Shetland, Scotland, UK
Z. Outram, C.M. Batt, E.J. Rhodes, S.J. Dockrill
pp 2821-2830

-Assessing the effects of conservation treatments on short sequences of DNA in vitro
Julie A. Eklund, Mark G. Thomas
pp 2831-2841

-Wood identification of a wooden mask using synchrotron X-ray microtomography
Suyako Mizuno, Ryoji Torizu, Junji Sugiyama
pp 2842-2845

-Flies, Mochicas and burial practices: a case study from Huaca de la Luna, Peru J.-B. Huchet, B. Greenberg PP 2846-2856

-What novice knappers have to learn to become expert stone toolmakers Original
Núria Geribàs, Marina Mosquera, Josep Maria Vergès
pp 2857-2870

-Hazelnut economy of early Holocene hunter–gatherers: a case study from Mesolithic Duvensee, northern Germany
Daniela Holst
pp 2871-2880

-Stabilization of the Tlaltecuhtli monolith pigments
María Barajas, Pedro Bosch, Claudia Malvaéz, Cristina Barragán, Enrique Lima PP 2881-2886 Assessing the reliability of criteria used to identify postcranial bones in sheep, Ovis, and goats, Capra Melinda A. Zeder, Heather A. Lapham
pp 2887-2905

-Genetic characterization of an archaeological sheep assemblage from South Africa’s Western Cape
K. Ann Horsburgh, Allison Rhines
pp 2906-2910

-Cross-cultural interaction on Wuvulu Island, Papua New Guinea: the perspective from use-wear and residue analyses of turtle bone artifacts
Nina Kononenko, Robin Torrence, Huw Barton, Ariane Hennell
pp 2911-2919

-Diatoms as bioindicators of site use: locating turf structures from the Viking Age Rhonda R. Bathurst, Davide Zori, Jesse Byock
pp 2920-2928

-Modelling the Neolithic transition in a heterogeneous environment
M.A. Patterson, G.R. Sarson, H.C. Sarson, A. Shukurov
pp 2929-2937

-The role of time-lapse bathymetric surveys in assessing morphological change at shipwreck sites
Rory Quinn, Donal Boland
pp 2938-2946

-Phytolith evidence for hearths and beds in the late Mousterian occupations of Esquilleu cave (Cantabria, Spain)
Dan Cabanes, Carolina Mallol, Isabel Expósito, Javier Baena
pp 2947-2957


Ir ao site do JASC
 

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

A Exaltação da Cabeça entre os Celtas - Livro

Dentro de todo eido de estudo há sempre algumas obras que pola sua relevância e significação para a investigação são consideradas como clássicos; são obras que foram pioneiras, ou bem são por abrirem um novo campo ou bem por oferecerem a primeira síntese duma nascente tema da estudo, ou bem por ser ambas coisas ao mesmo tempo.

Este ultimo é o casso de L´Exaltation de la Tête dans La Pensée et dans L´Art des Celtes de Pierre Lambrechts, na que se passava por primeira vez revista ao alongado acumulo de material que sobre a sacralidade do crânio existia no domínio céltico, desde a antiguidade e o registro arqueológico a literatura insular medieval, uma obra certamente muito recomendável e ainda de utilidade hoje em dia.

Em resume uma obra de referencia, como muitas outras nunca reeditada, e que queda aqui livremente ao vosso dispor para que a descarregar:

1ª PARTE: L´Aniconisme de L´Art Celtique


2ªPARTE: La Tête dans L´Art Plastique Celtique et Gallo-Romain



3ª PARTE: Le Thème de la Tête dans la Littérature Médiévale




terça-feira, 31 de agosto de 2010

Morre Barry Raftery


A semá passada, depois duma longa doença, teve lugar no Hospital de SantVicent de Dublín, a morte do professor Barry Raftery,catedrático emérito de arqueologia no UCD (University College of Dublin) nomeado especialista na arqueologia dos celtas da Idade do Ferro.

O Prof Barry Raftery, foi reconhecido como um estudoso pioneiro no seu país, Irlanda, da arqueologia das sociedades pré-históricas,sinaladamente da Idade do Ferro, sendo nomeado na Cátedra de Arqueologia Celta no UCD em 1996.
Foi professor visitante da Pré-historia Europeia na Ludwig-Maximilians Universität de Munich entre os anos 1969-70 e professor de visitante na Universidades de Kiel (1991) e Viena (1997). Recebeu numerosos prémios de investigação. Foi assim mesmo Vice-presidente Sénior da Royal Irish Academy, também foi menbro de número do Instituto Arqueológico Alemão e  da Society of Antiquaries of London  em 1995.
Seus primeiros trabalhos sobre os hillforts levaron-lhe a publicar a primeira descrição da forma e funções de tais habitat na Irlanda. Isto também levou à escavação do castro de Rathgall, no Condado de Wicklow. Sua investigação doutoral, sobre a idade do ferro irlandesa, resultou em dois livros já clássicos: A Catalogue of Irish Iron Age Antiquities (1983),e La Tène in Ireland: Problems of Origin, Development and Chronology(1984).

Jogou um papel importante na exposição internacional de I Celti, La prima Europa em Veneza na década de 1990, que resultou num volume de síntese I Celti (1991),Foi autor assim mesmo dum interessante e importante livro de síntese sobre a Irlanda da Idade do Ferro, Pagan Celtic Ireland (1994).

Esta nova do seu passamento o mesmo ano no que saia do prelo um volume no que distintos colegas de toda Europa homenageavam ao prof. Raftery, e tratavam distintos temas relacionados côa trajectória da pesquisa do académico irlandês

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Fragmentarica


No museu de Arles trás da visita  quase ritual visita a Cesar, Vanessa Rodrigues e mais eu perdemo-nos pela parte de arriba seguindo o letreiro que anunciava seica a instalação dum artista sobre o o conceito de" O Arqueológico".

Reciviu-nos um armazém que com enrijado metálico e chamativos carteis insistentemente advertia "não passar", mais lá numa vitrina de madeira de aquele art-decó um pelicano misturava a suas ás estendidas com fôsseis conchas de nautilus e as brancas mãos das estátuas gregas, sorrindo-nos com certa cumplicidade dizemos consecutivamente: "cabinet de curiosités".


Mas o mais chocante nós esperava na última sala quando nos topamos numa vitrina longamente expostos milheiros de anacos de vidros, tarros, garrafas, e mesmo alguma lâmpada elétrica.  Daquela recordando as horas fragmentos de ânforas, copos, mortaria, skiphos e kylix estrados pela mesa do laboratório, bem devemos pensar ...  "a arqueologia do futuro!"


quinta-feira, 1 de julho de 2010

Adeus a Roparz Omnes

Onte finou despois duma longa enfermidade Robert Omnes/Roparz Omnes catedrático hemérito de Filología hispánica da Universidade da Bretanha Occidental-Brest, Roparz foi um home interessado ao longo de toda a sua vida pola cultura da sua Bretanha natal, e apaixoado asimmesmo pola Galiza, sendo durante muitos anos amais de Presidente da Liga Céltica Bretona, do Comite da Irmananamento Bretaghe-Galice, froito do cal tambem puidemos disfrutar muitas veces nestas terras del e do seu trato sempre afavel e interesado por todo o que fora a cultura dos nossos dous paises.

A mais desto Roparz Omnes deixa-nos froito da sua laboura científica no Centre de Recherche Bretogne et Celtique, a sua obra e entre ela sinaladamente um interesante artigo, publicado naquel Congresso de Brest que ele mesmo organiçara sob os Celtas na Hispania e que saira na serie Triade, aquel artigo sobre o sustrato céltico no galego, estudo práticamente único e no que analizada desde o seu profundo conhemento do céltico e das linguas románicas uma multitude de fenoménos foneticos e mesmo de fraseología e formas de dizer do galego desde a optica dum sustrato indigena muito mais vivo do que puidera pareçer.

Uma grande perdida cientifica pero tambem humana para todos os que, num intre ou outro, tivemos a oportunidade de conhece-lo.

Por sempre, e ate que nos atope-mos de novo nas ilhas dos Benaventurados, Kenavo Roparz

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Cavalos do Além

Os cavalos do além do folclore europeu arroxaban aos seus xinetes as augas

CAVALOS DO ALÉM
Marcial Tenreiro Bermúdez
Universidade da Corunha

Faz algum tempo contar-me-ão uma lenda que me fixo começar a desensarilhar uma série de temas míticos conteúdos no folclore galego e europeu em geral. Era a seguinte: ia um homem pela noite e topou com um cavalo abandoado e decidiu montar nele. Quando estavam atravessam um rio e no meio do cauce a besta pôs-se a beber, o cabo de um rato ao ver que o animal ainda não rematara o homem disse: ai Xesus, que nunca tal vim?. Namais mencionar o nome do Senhor o mulo partíu em dois cachos e desapareceu, deixando cair ao rapaz no meio do regato.

-O demo bulrreiro.
Lendas deste tipo são muito comuns em toda a nossa xeografia, assim como também nos vizinhos Portugal e Astúrias. Na variante mais corrente, um grupo de jovens que se recollendose de uma foliada pela noite, atopanse com um cavalo branco diante deles como ofrecendoselles para que cruzem nele o rio. Ante a perspectiva de voltar à casa andando e em aplicação daquele velho dito popular de “quem tem besta e anda a pe mas besta é” os rapazes decidem montar um trás outro no equido sem dar-se conta, cecais por efeitos festivos secundários que não compre explicar, de que o cavalo estava a estirar a sua garupa para acomodá-los nela.
Assim suben um, dous, três, quatro sem dar-se conta de nada, sob quando estan a cruzar o rio se faz evidente aquelo, ao ver as patas dianteiras da besta no meio do curso e as traseiras ainda na ribeira, daquela o cavalo contrae seu lombo botando à água aos rapaçes que tenhem que voltar a casa “todos molhadinhos coma pitos” mentres oem, por derriba, a molesta risa do trasno.

O trasno ou demo bulreiro e uma figura normalmente inofensiva que aproveita a sua capacidade de adoptar formas animais com a ideia de zombar-se dos seres humáns, com especial preferência pelos jovens e jovens que voltam das festas, fias ou muinhadas, no obstante como contrapunto deste aspeito cómico e inócuo existem versões que mostram um perfil mais sinistro detras de tudo isto

-O cavalo da água
Falanos Leite de Vasconcellos da tradição dum poço maldito habitado pelo demo, que se aparecia às vezes em forma de cavalo; quem ousava montár nele era arrastado pela besta ao poço e desparecia para sempre. Recolhe este autor o caso de uns meninhos que montaram nele, excepto um, que já advertido da perigosidade da besta, salvou assim a vida. Curiosamente variantes como esta são as que tiveram mais sucesso nas lendas paralelas do resto do mundo céltico e germânico. Na Escócia existe um ser similar; o chamado Each Uisge literalmente o “cavalo da áuga”.

 Uma lenda conta como sete meninas e um neno atopanse com um fermoso cavalo a beira dum lago. As meninhas vão montando uma trás outra nele, ate que ao chegar ao neno este dase conta de que o cavalo fora esticando o lombo com cada novo ginete e alcança a fugir de ser arrastado coma os outros as profundidades do lago.
Diz-se que o cavalo do água debora ali aos desgraçados que leva consigo, tamen se conta que os que montam derriba dele já não podem baixar pois ficam apegados a sua garupa. De igual maneira no mundo nórdico cavalos sobrenaturais saido dos lagos arrastavam inebitavelmente ao que montan neles às suas águas. Das fragas do Eume dizia-se dum trasno em forma de cavalo, que se metia no interior do rio sem que se precise mais. Vicente Risco falava de como um dos perigos dos caminhantes era se atopar pela noite com esses pantasmagóricos cavalos que deitavam lume pelo fucinho e que, à medida que se alonxaban medravam em tamanho até tocar o mesmo céu. Aparecições de animais que frequentemente se relacionavam cos avisos de morte, já que quem tinha a má sorte de vê-los morria em menos dum ano.  

-O cavalo e a morte
Essa relação entre a morte e o cavalo sobrenatural aparece, nembargantes, mas explicita noutras tradições galegas. Assim nas zonas de Meixoeiro e Elviña falava-se de um cavalo branco que pelas noites saía das águas do rio e dirigia-se a aldeia, pelo caminho disque sobre o seu lombo aparecia um cadaleito que logo deixava na porta da casa dalgun dos vizinhos, aquelo era percebido como o sinal de uma morte iminente na família.

Numa lenda procedente de terras luguesas um cavalo misterioso entra numa casa justo quando o pai esta agonizando convalecente de uma doença. O cavalo vai petando com os pezunhos no chão e onde él petaba abrolhaban pequenas fontes de água, logo subíu o sobrado da casa e ficou mirando para o convalecente que daquela votou seu último alento e morreu. Igualmente se contava de outros animais mostrosos europeus como os cavalos demóniacos sem testa do folclore basco, ou os cavalos de três patas da tradição oral dinamarquesa, que eram asimesmo anúncios de uma morte pronta, neste último pais dizia-se que a morte montava um cavalo ao que invitaba a subir aos finados. No noroeste peninsular a de cavalo era uma das formas que de cote tomavam as animas quando se queriam aparecer aos vivos.

É curiososo que em algumas zonas da Galiza a estrema unción se chamasse “ponher a espora”, como se o convalecente se dispusesse a fazer uma longa cavalgada. O tema pode ser muito antigo entre nós pois em epoca medieval num dos relevos da tumba do cavaleiro Egas Moniz, encontramos uma escea na que três personagens aparecem montando num cavalo extraordinariamente longo enquanto que, suspeitamente, noutra escea precedente, parecem descansar pracidamente, cecais para sempre já, num mesmo leito.

Significativamente um texto irlandes amostranos a um cavá-lo que também estica o seu lombo a vontade como a montura de Mannanan Mac Lyr, o deus do mar (e da morte), com ele cavalga por derriba das ondas do mar recolhendo aos naufragos (afogados) para levá-los derriba dele a uma misteriosa ilha, trasunto dessas Ilhas do Além tão comuns na mitoloxía céltica.
Esta recorrente associação entre os diferentes cavalinhos da auga dos foclores célticos e germânicos actuais e a morte tem-se explicado descasca importância que este animal teve na mitología desses povos como conductor das animas dos morridos ao outro mundo. Elo estaria reflectido mesmo na conhecida diadema aurea de Rivadeo, obra mestre do ourivesaria dos antigos galaicos, que nos mostra a um grupo de homens a caválo em curiosa peregrinagem, cecais a um alem indeterminado, a modo de preterita Santa Companha, por um caminho acuático entre peixes, tartarugas e aves zancudas várias.

Tradições como estas são, em resume, um bom ejemplo de como a nossa cultura popular pode prolongar-se no mas fundo do nosso ser e passado, achegando-no-lo o ate a mesma actualidade. Assim pois, lembrem bem, se a proxima vez que volten a casa a altas horas da noite, se encontram um extrano cavalo branco que se lhes oferece suspeitamente para dar uma curta carreira ao seu domicílio particular, penseno duas vezes. Cecais fora melhor colher um táxi.

La Voz de Ortigueira 12, 20 e 26 Junho 2010

terça-feira, 29 de junho de 2010

Repensando a Idade do Bronze e os Indo-europeus



Dentro do Projeto ABrAZO (Ancient Britain and Atlantic Zone-Ireland, Armorica & Iberian Peninsula) celebrara-se a proxima semana, na Universidade de Oxford o Coloquio Rethinking the Bronze Age & the Arrival of Indo-europeans in Atlantic Europe.

Este projeto interdiciplinar dirigido pelo linguista J. T. Koch e o arqueólogo Barry Cunliffe, pretende respostar a mudança de paradigma que nos últimos anos se tem dado no eido dos estudos Célticos Os argumentos fundados na arqueologia e na genética apontam, cada vez mais, a favor de situar as origens celtas na Idade do Bronze Atlântico em lugar de nas culturas de Hallstatt e La Tène do Ferro centro-europeu, ou nos seus precedentes imediatos nos Campos de Furnas, como vinha sendo tradicional.

O colóquio focara-se na relação entre a Arqueologia da Idade do Bronze e os processos de celtização e indo-europeização, centrando-se fundamentalmente das Ilhas británicas pero também com achegas a outros âmbitos atlânticos como o tartêssico, e reunindo para elo neste foro a alguns dos mais importantes especialistas do momento como Renfrew, Mallory, Bodkto, Brathner, etc.


+INFO no site de:  Rethinking Bronze Age

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Journal Archaeological Method & Theory 17/ 2


Journal of Archaeological Method 
and Theory
17/ 2 2010


Archaeology as Anthropology Revisited   pp.81-100
William A. Longacre

Re-emerging Frontiers: Postcolonial Theory and Historical Archaeology of the Borderlands  pp.101-131
Magdalena Naum

Involutions of Materiality    pp.132-173
Johan Normark
   


Ir ao número de:    J. Arch Method & Theory

terça-feira, 4 de maio de 2010

ATAS DO EJIHA 2008-2009

Agora nestes mesmos intres - às 9:30 - estão apressentando na facultade da História da universidade de Complutense o último volume da revista Espacio, Tiempo y Forma que recolhe as atas do VII e VIII "Encuentro de Jóvenes Investigadores en Historia Antigua" (EJIHA), em que aparez um artigo, entre outros, do que isto escreve. Desde aqui, e na espera para ter o ejemplar nas nossas mãos, felicitar aos nossos companheiros do EJIHA pelo resultado de um ano do trabalho, do que este livro é o resultado. Noraboa

domingo, 2 de maio de 2010

O Carro e o Homem - Documentário



Eis aqui o mítico documental etnográfico filmado em 1941 sobre o Carro Galego, baseado no estudo o etnográfico sob este que fizera o Jaquim Lourenço "Jocas" e dirigira António Román, uma obra fundamental da documentarística e da etnografia galega que estivo disponível ate o de agora na plataforma audiovisual galega Flocos TV, até a sua desaparição no 2011 em uma dessas estranhas, pelo que a cultura toca, mas frecuentes decisões da Junta de Galiza (mais informaçao em: u-los Flocos?). Todo um clássico


quarta-feira, 28 de abril de 2010

EJIHA - IX Encontro de Jovens Investigadores em História Antiga


Programa IX EJIHA 2010 - Definitivo
                                                                   

Um ano mais uma nova edição do já clássico, vaia a redundância, “Encuentro de Jovens Investigadores en Historia Antigua” da universidade de Complutense, uma cita e um referente para as distintas ramas dá Antiguidade: História, Archaeología, Philología, e as suas diferente áreas e contextos, do o Occidente ao Extremo Oriente, passando por um Egipto do que nunca faltam alguém


Site do: EJIHA 2010

5ª Conferenza Italiana de Ethnoarqueología

                                                           

Mais Informação: ethnoarchaeology.org

sábado, 24 de abril de 2010

Cocinha da Idade do Bronze - Hidden Eritage


A arqueóloga Lorraine Bourke da NIEA (Nordert Ireland Enviorment Agency) esplica neste clip do programa Hidden Eritage uma das técnicas utilizadas na protohistoria para o cocinhado dos alimentos mostrando um dos mas antigos métodos de cozer a comida (o uso de pedras quentadas  previamente ao lume), nesta demostração prática arredor duma saborosa perna de cordeiro emvolta em... palha!.


sábado, 17 de abril de 2010

Um "simio muito Peculiar" ?


Robert Sapolsky: The uniqueness of humans ( TED.com)

O primatogo Robert Sapolsky numa interessante conferência dada em Standford na que fala de tudo aquilo no que os seres humanos e o resto dos animais nos parecemos e em  tudo aquilo -que também fazendo eles- nós -raros que somos- prefirmo-lo fazer duma maneira muito particular


Adeus "Tristes Tópicos" - uma crítica da Antropología clásica